Trilha sonora de Capitã Marvel é um passeio pelos anos 90

O filme, que tem trilha original composta por uma mulher, bateu recorde de faturamento

Ahhh, os anos 90! Que tempo bom que não volta nunca mais. O filme Capitã Marvel (2019), que estreou na semana passada, traz de volta vários aspectos culturais da época, com foco principalmente na música. 

Com apenas quatro dias em cartaz a produção já bateu recorde como a maior bilheteria de um filme de compositora feminina. Com 153 milhões de dólares arrecadados nos EUA, o longa superou o último recordista com uma trilha original inteiramente composta por uma mulher, que era o filme Para Sempre (2012), que fez $125 milhões durante todo seu tempo em cartaz.

Pinar Toprak, de 39 anos,  foi a responsável pela trilha original de Capitã Marvel. A compositora turco-americana tem experiência com o universo dos super-herois e já trabalhou nas séries Krypton e Fortnite, além de ter contribuído no departamento musical do filme da DC, Liga da Justiça (2017).

Playlist dos anos 90

Para se preparar para a experiência completa no cinema, a Cidade FM selecionou seis músicas marcantes da trilha sonora de Capitã Marvel (2019) compostas por artistas da década de 90. Saiba o que cada uma diz sobre a personagem e sua trajetória no filme. Sem spoilers

Nirvana – Come as you are

Quem estiver atento vai notar que o hino do grunge é a única canção com vocal masculino tocada em todo o filme. “Come as you are” surge num vinil e acompanha uma espécie de mergulho interior da personagem. O som cai como uma luva, especialmente considerando que Danvers demonstra ser uma grande fã de Janis Joplin e de Guns ‘n Roses ao longo do filme.

Garbage  – I’m only happy when it rains

A banda liderada pela atriz e cantora Shirley Manson está na ativa e bombando até hoje, mas foi nos anos 90 que teve sua fase de ouro. Época em que a voz de Shirley se tornou mundialmente famosa após o lançamento do primeiro álbum do Garbage. Se a letra fala sobre uma garota, digamos assim, que gosta de um bom drama e não se abala quando as coisas ficam complicadas (ou quando chove!), no filme ela acompanha a persistência de Carol Danvers mesmo quando a jornada se torna solitária e o mundo parece duvidar de sua capacidade para chegar lá. E, sim, ela também é teimosa — e no bom sentido da palavra.

Hole – Celebrity Skin

“Celebrity Skin”, hit lançado pelo Hole em 1998, no disco de mesmo nome trata de conquistas e sobre alcançar o estrelato, mas ainda se mantendo fiel aos seus princípios e com os pés fincados no chão. “Não vou me vender barato”, entoa Courtney Love ao final da canção, que aparece não só na trilha, mas também num dos comerciais de TV do filme. Com a Capitã Marvel já chegando com status de celebridade no Universo Marvel do cinema, seria esse um sinal de que ela vai tem de se manter humilde em novas aparições? 

No Doubt – Just A Girl

O papo reto de Gwen Stefani sobre isolamento feminino chegou às rádios em 1995, justamente alguns meses depois em que a história do filme se passa. Seria esquisito se a música surgisse como uma trilha incidental, dentro de algum estabelecimento ou no rádio de alguém, mas ela acaba se tornando um complemento perfeito.  “Just a Girl” foi um dos hinos feministas da época, onde Gwen Stefani canta com sarcasmo sobre o machismo. “Sou apenas uma garota, bonitinha e pequena. Não me deixe ter nenhum direito.” Esta foi, também, a primeira faixa assinada exclusivamente pela vocalista. Chega a ser engraçado chamá-la de “apenas uma garota” assistindo as dificuldades que Carol Danvers enfrentou de cabeça erguida mesmo antes de adquirir superpoderes.

Promoções da Cidade